publicado a: 2016-12-16

Análise semanal dos mercados - 12 a 16 dezembro

12 dezembro

O relatório do USDA (Departamento Agrícola dos Estados Unidos) não trouxe muita informação nova para os mercados europeus, confirmando apenas um aumento na produção mundial de trigo. O milho também foi revisto em alta, onde os valores das colheitas estão estimados em cerca de 82,85 milhões de toneladas. A produção mundial de soja também foi ligeiramente revista em alta para 338 milhões de toneladas, contra 336 milhões de toneladas publicado no mês passado.

Os mercados americanos também ficaram marcados pelas poucas alterações publicadas no relatório do USDA de sexta-feira, deixando praticamente inalterados, relativamente ao mês passado, os três principais produtos, trigo, milho e soja.

O início da semana deve ser calmo, mantendo a soja uma certa firmeza relacionada ao deficit hídrico na Argentina.

Os fundos estiveram compradores de 7.000 lotes de milho, 5.500 lotes de soja e 4.000 lotes de trigo.

No mercado do Mar Negro registamos uma forte actividade de exportação nos portos ucranianos, mesmo com as cargas de trigo e cevada a continuar a reduzir gradualmente. Assim, os valores de exportação da semana passada foram de 429.000 toneladas de milho, 188.000 toneladas de trigo e 17.000 toneladas de cevada. A Índia foi o principal destino do trigo exportado.

Nos portos russos de registar a exportação de 450. 000 toneladas de trigo, principalmente para o Egipto e Turquia.


13 dezembro

A ausência de novos elementos no outro lado do Atlântico faz abrandar a actividade nos mercados europeus, começando assim a semana com muito poucas movimentações. Contudo, a subida do dólar ainda é um trunfo importante para limitar o impacto descendente dos cereais na Europa.

No mercado americano de registar uma ligeira descida do preço da soja, ontem, enquanto o preço do trigo e do milho tiveram um ligeiro aumento.

Chuvas benéficas na Argentina pesaram sobre os preços da soja, que, no entanto, encontraram apoio no negócio de exportação, que continua forte nos Estados Unidos.

Os fundos estiveram compradores de 3.500 lotes de milho, 2.000 lotes de trigo e vendedores de 8.000 lotes de soja.

No mercado do Mar Negro nada de relevante a registar.


14 dezembro

Com o aproximar do fim do ano e na continuação da falta de novos elementos, os mercados europeus continuam muito tranquilos, sem grandes alterações a registar.

As estimativas do Ministério da Agricultura francês para o trigo são um pouco acima do inicialmente estimado, comparando com o ano passado, com + 0,2%, para valores de 5.191 milhões de hectares, contra 5.182 milhões no ano passado. As superfícies de cevada de Inverno estão em baixa, -4,1%, para 1,378 milhões de hectares, contra 1.445.000 hectares, uma queda de 5,1% do ano passado.

Muito poucas mudanças se registaram também nos mercados americanos. A grande tendência permanece no trigo e milho, embora neste último haja alguma resistência aos números de exportação, que estão em declínio.

Os analistas mostram um aumento líquido nas estimativas da área plantada de soja no próximo ano nos Estados Unidos, em detrimento do milho. De fato, com base em níveis dos preços actuais mostrados para a próxima campanha, é muito mais rentável para os agricultores semear soja do que o milho.

Os fundos estiveram vendedores de 4.000 lotes de soja e compradores de 2.500 lotes de milho e 1.000 lotes de trigo.

No mercado do Mar Negro nada de relevante a registar.


15 dezembro

Os mercados europeus continuam a mover-se ligeiramente. Contudo, os operadores apoiam-se na valorização do dólar face ao euro, que é um elemento de suporte para os mercados agrícolas europeus.

O FRANCEAGRIMER reviu em baixa a sua estimativa de produção de milho para 11,45 milhões de toneladas, contra 11,81 estimado no mês passado. No trigo, a produção também é revista ligeiramente em baixa, para 27,99 milhões de toneladas, contra 28,15 no mês passado. Os stocks são, no entanto, revistos em alta, para 2,68 contra 2,48 milhões de toneladas.

No mercado americano a falta de actividade, devido ao aproximar dos feriados do fim do ano e da ausência de novos dados, ainda é mais evidente.

A Soja continua a beneficiar de boas condições meteorológicas na Argentina, augúrio para uma boa colheita.

Os fundos estiveram compradores de 1.000 lotes de trigo, 3.000 lotes de milho e vendedores de 6.000 lotes de soja.

No mercado do Mar Negro registamos a publicação feita pelas autoridades locais da Ucrânia dos números das culturas de Inverno. Assim, no trigo já estão semeados 6,9 milhões de hectares e na cevada 6,5 milhões de hectares.


16 dezembro

Os mercados na Europa continuam a beneficiar do dólar forte, reforçando assim a competitividade das origens europeias.

As exportações europeias semanais confirmam uma actividade muito baixa, tanto pela falta de disponibilidade, em particular relacionados com a qualidade, como o aproximar do fim do ano.

No mercado americano de registar a queda dos preços do trigo e do milho, devido à subida do dólar, perdendo competitividade em relação a seus concorrentes.

A soja continua com uma tendência ascendente, apesar de culturas na América do Sul e nos Estados Unidos serem abundantes. Os números semanais de exportação foram esta semana de 2 milhões de toneladas, contra 1,1 e 1,5 milhões estimadas.

A Informa revê em alta a sua estimativa de produtividade de soja para 52,8 bushels/acre, contra 52,5 no mês passado. E para o milho estimam 176,1 bushels/acre, contra 175,3 publicado no mês passado.

Os fundos estiveram vendedores de 8.500 lotes de milho, 4.000 lotes de trigo e compradores de 9.000 lotes de soja.

Uma frente fria desce sobre a área do Mar Negro com temperaturas esperadas de -15 graus Celsius no norte da Ucrânia e grande parte da Rússia.

A Índia pode ter que importar mais de 4 milhões de toneladas de trigo este ano, e tudo indica que as origens serão do Mar Negro.


Fonte: SNAA

Comentários

  • Faça login para poder comentar.